"Qualquer amor é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura."
- João Guimarães Rosa

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Dores miofascial e o Ponto Gatilho

Quem nunca sentiu dores na região do pescoço, ombros e costas em algum momento de maior tensão ou preocupação?


ponto gatilho Dores musculares e o Ponto Gatilho – descubra a origem de suas dores.

Muitas vezes os músculos ficam duros e doloridos podendo até ser notados caroços no interior da musculatura. Geralmente após a passagem do período de maior stress, estes músculos relaxam, porém, algumas vezes estes caroços permanecem nos músculos por um tempo maior, levando a uma dor crônica localizada, com diminuição do movimento daquele músculo. Denomina-se este tipo de problema de dor miofascial, e estes nódulos nos músculos são chamados de pontos-gatilho.

Tudo começa com alguma agressão ao músculo, como um trauma, torção ou outro movimento brusco. O músculo reage com um ponto de contração intensa e localizada – o “ponto-gatilho”. Esta região começa a ficar muito dolorida e dependendo de cada músculo envolvido, existe uma irradiação da dor para outros locais do mesmo músculo; isso pode simular outros problemas de saúde, muitas vezes os mais comuns.

Por exemplo, um ponto-gatilho situado no músculo trapézio, que está na parte de trás do pescoço, produz uma dor irradiada para a cabeça, olhos e testa – o que pode ser confundido com uma enxaqueca. Outro ponto, agora no músculo piriforme, que é parte da nádega, irradia sua dor para a coxa e perna podendo simular uma ciática, e assim por diante.


Ponto Gatilho (trigger point)
Estes pontos de dor muscular caracterizam-se como sendo regiões sensíveis em bandas musculares contracturadas ou tensas, que produzem dor referida em áreas musculares distantes ou adjacentes. Esta dor pode originar-se em um único músculo, ou até em vários gerando alguns padrões de dor complexos e variáveis.

Trauma e micro trauma, infecção ou inflamação muscular devido a patologia de base, alterações posturais com discrepância de membros, esfriamento de músculos fatigados, isquémia, lesões de ligamentos e articulações, deficiência de vitaminas (C) e alguns minerais, taxa metabólica baixa, stress emocional, fadiga geral, falta de descanso etc.
Os pontos-gatilho são instalados num músculo toda vez que este for sobrecarregado e exigido além da sua capacidade de tolerância no momento. Uma vez instalado ele pode ficar em estado de latência por muito tempo, às vezes anos, até ser ativado. Para ativá-lo basta apenas que se some a ele uma situação de stress físico e/ou emocional e uma nova sobrecarga do músculo. Quando ativado ele produz um espasmo doloroso em algumas fibras do músculo. A situação se complica quando o sistema nervoso, recebendo o sinal de dor, intervém exigindo que o músculo se contraia, numa tentativa de defendê-lo. Esta nova contração sobre o espasmo doloroso produz mais dor. Fecha-se então um ciclo vicioso em que quanto mais dor for produzida pela contração, mais contração o sistema nervoso pede ao músculo. E o que começou com algumas fibras, logo envolve o músculo inteiro e até mesmo outros próximos, abrangendo toda uma região. Como exemplo disso temos então um torcicolo ou uma lombalgia.



Dor crônica ( miofascial) e Massagem

Massagem pode aliviar dor crônica.  Massagem terapêutica investigação mostra como a dor crônica pode ser aliviada.


Alívio da Dor


Na Grécia e Roma antigas, era realmente os médicos que utilizavam a massagem como um dos principais métodos para tratar a dor. Hoje, massagistas são alguns dos melhores profissionais treinados para lidar com síndromes de dor miofascial e músculo-esqueléticas. Por quê? Porque é isso que eles são treinados para fazer. Massagem terapeutas são treinados em anatomia, fisiologia e patologia, e eles passam muitas horas fisicamente palpação e manipulação de músculos e tecidos moles do corpo. Se é menor dor nas costas, artrite ou fibromialgia, massagem pode ser capaz de aliviar a dor associada.


Antes de mais nada é preciso localizar os pontos através da palpação. Então pressioná-los por mais ou menos dez segundos. Isto vai desativá-los. Pode ser bem doloroso, devendo por isso ser feito com calma e sensibilidade. Depois, deve-se alongar os músculos onde eles estavam instalados para devolver a eles sua extensão normal de alongamento.


Eventualmente, um massagista faz isso intuitivamente. É um procedimento até bem simples, mas somado a um bom conhecimento de miologia e cinesiologia pode tornar possível ao massagista atender uma grande variedade de condições dolorosas, desde que de origem muscular.

O Touch Research Institute conduziu mais de 90 estudos clínicos sobre os efeitos benéficos da massagem terapêutica em uma variedade de condições. Os seguintes são resumos de alguns dos estudos realizados sobre os efeitos da massagem terapêutica sobre a dor:


• Artrite reumatóide juvenil - Pais massageado seus filhos artríticas e descobriu que eles sentiram menos dor e pensavam menos rigidez manhã seguinte, a massagem (Field et al, 1997). 

• Labor Pain - Massagem terapêutica foi administrado a mulheres grávidas durante o trabalho e eles mostraram uma diminuição da ansiedade e da dor, assim como tinha tempo de internação hospitalar (Field et al, 1997). 

• Fibromialgia - Pacientes com fibromialgia dormido melhor e com menos dor após um mês de massagens quinzenais. (Field et al, 2002). 

• Dores nas costas - Os participantes com dor lombar foram encontrados para ter uma redução na dor e no aumento da sua mobilidade após a massagem terapêutica (Hernandez-Reif et al, 2001). 

A parte interessante sobre toda esta pesquisa é que dá um sentido renovado de esperança para quem sofre de dor crônica. Não é algo que pode ser feito para a dor. Pesquisa mostrou claramente que a massagem terapêutica é uma maneira de aliviar a dor, isoladamente ou em conjunto com outra forma de terapia, tais como o tratamento quiroprático . Como sempre há diferenças nas experiências individuais de dor, é sempre aconselhável consultar com seu médico para diagnóstico e aconselhamento de tratamento.



domingo, 19 de fevereiro de 2012

Dores Musculares



Uma distensão muscular é uma lesão dos músculos e possivelmente também dos tendões — feixes de fibras que ligam os músculos aos ossos. Não deve ser confundida com entorse, que implica estiramento ou ruptura dos ligamentos — faixas fibrosas que ligam os ossos e reforçam e estabilizam as articulações.
Distensão muscularExistem dois tipos básicos de distensão muscular: lesão aguda devido a pressão súbita e excessiva, em que as fibras musculares se rasgam, causando hemorragia, inchaço, dor e perda de força e de função, e lesão por fadiga, em que os músculos sofrem estiramento por serem submetidos a esforço crónico. Neste caso, os músculos ficam doridos, mas não sofrem ruptura e não há perda de força.
As rupturas podem ocorrer quando os músculos são sujeitos a um esforço repentino e violento quando estão frios, fatigados ou fracos por falta de uso. Os ligamentos têm tendência para esse tipo de lesões. Por exemplo, poderá verificar-se ruptura do ligamento quando uma pessoa normalmente sedentária joga uma partida violenta de ténis.
Em contraste, as lesões por fadiga resultam do facto de os músculos serem repetidamente submetidos a tensão durante um período prolongado, como é o esforço da jardinagem. Os músculos das costas e da virilha são vulgarmente afectados por este tipo de lesão, embora as pernas e ombros também sejam vulneráveis.


Diagnóstico e exames complementares

Em geral, o médico consegue diagnosticar uma distensão muscular através do exame da região, mas pode pedir uma radiografia para excluir a hipótese de fractura ou de outra lesão óssea. Em casos mais complicados, poderá pedir uma ressonância magnética a fim de pôr de parte a hipótese de ruptura de ligamento. Um outro auxiliar de diagnóstico é o electromiograma (EMG), em que são inseridos nos músculos eléctrodos em forma de agulha para medir a actividade eléctrica muscular.
Um problema muscular crónico também pode ser avaliado por um especialista de medicina desportiva ou por um fisiatra, médico especializado em reabilitação física.


Tratamentos médicos

O autotratamento é suficiente para a maior parte das distensões simples. Contudo, deve consultar-se um médico se não houver melhoras ao fim de três ou quatro dias ou logo que possível se houver edema acentuado e perda da função muscular. Em tais casos, pode ser receitado um anti-inflamatório não-esteróide, como indometacina, para reduzir a inflamação e o edema e aliviar a dor. A investigação sugere que estes medicamentos não devem ser tomados logo após a lesão; é preferível esperar pelo menos um dia para permitir que a inflamação contribua para libertar a área magoada das células lesionadas.
Um relaxante muscular pode aliviar se houver espasmos. Uma injecção de corti-sona na área lesionada também pode reduzir o edema e a inflamação.
Poderá ser necessária uma intervenção cirúrgica se um tendão tiver sofrido ruptura ou arrancamento.

Medicinas alternativas

Acupunctura
Esta terapia pode reduzir as dores em caso de distensão muscular, mas é pouco provável que seja útil em caso de ruptura de músculo ou tendão. Técnica de Alexander. Esta técnica é da maior utilidade como medida preventiva. O terapeuta estuda os movimentos do corpo do doente e corrige hábitos que possam ter contribuído para a lesão.
Quiroprática
Os técnicos desta terapia tratam músculos distendidos do pescoço, costas e ombros manipulando e realinhando a coluna vertebral. Também podem usar diatermia para descontrair os músculos.
Massagens
São usadas por atletas, baiMassagem depois de uma distenção muscularlarinos e outras pessoas cuja actividade implica uso excessivo e repetitivo dos músculos. Podem ser combinadas com tratamentos pelo calor ou hidroterapia. Terapia de Rolf. Método de manipulação profunda e muitas vezes dolorosa para desfazer o excesso de tecido conjuntivo que interfere com o bom alinhamento do corpo.
Meditação e ioga
Estas e outras técnicas de reMeditação e Iogalaxamento podem ajudar a aliviar a dor muscular devido a stress. Tratamento em casa A área lesionada deve ficar imediatamente em repouso, aplicando-se sacos de gelo de meia em meia hora, durante 10 minutos, nas primeiras 24 horas. (Para obter um saco de gelo fácil de moldar sobre a região magoada, encha um saco de plástico com gelo moído, ervilhas ou milho congelados.) A compressão obtém-se envolvendo a parte lesionada com uma ligadura elástica. Dependendo do local da lesão, esta pode ser elevada por meio de uma funda, almofada ou outro suporte.
Ao fim de 24 a 36 horas, pode usar um saco de água quente sobre a parte lesionada. (Não deve fazê-lo mais cedo porque o calor aumenta o fluxo sanguíneo para a área e pode provocar hemorragias e edema.) Nesta altura, já pode tomar um anti-inflamatório que contenha aspirina ou ibuprofeno. O paracetamol reduzirá a dor, mas não a inflamação.
Cremes, linimentos e outros agentes de fricção podem aliviar a dor produzindo uma sensação de calor e dormência. Contudo, estes preparados não são tão eficazes como os anti-inflamatórios no tratamento de uma distensão muscular. Outras causas de dor muscular Entorses, tendinites, fractura da tíbia, luxações, fracturas de fadiga e outras lesões desportivas ou profissionais também produzem dor e edema.Distensão muscular

sábado, 18 de fevereiro de 2012

 

Síndrome Dolorosa Miofascial ou Dor Muscular


Fáscia

A fáscia é um tecido forte que se espalha por todo o corpo numa teia tridimensional desde a cabeça aos pés sem interrupção, envolvendo todo e qualquer tecido do corpo desde a célula, grupo de músculos, ossos, órgãos, etc.
Mais concrectamente a fáscia é conhecida como tecido conectivo o qual é composto por colagénio (que actua como cola) e elastina (que actua como elástico) criando dessa maneira a conexão entre toda e qualquer estrutura do corpo humano.
A fáscia ou tecido conectivo dá e mantém a elasticidade de toda e qualquer parte do nosso corpo, órgãos, músculos, etc. sem permitir exageros devido ao colagénio que mantém os limites da flexibilidade.
A fáscia não envolve apenas todo o qualquer músculo, mas também envolve toda e qualquer fibra da qual o músculo é feito, assim como cada miofibrila, e cada pequena parte até ao nível celular. Desta maneira é a fáscia que determina o funcionamento e o comprimento do músculo e de toda e qualquer estrutura do corpo.
Ela envolve nervos, ossos, artérias, veias e ductos assim como os músculos e é o maior organizador do corpo, organizando e separando toda e qualquer estrutura do corpo e organizando os músculos em unidades funcionais.
A fáscia é o componente básico do sistema músculo esquelético do corpo e em circunstâncias normais ela deve ser flexível e deslizante.
No entanto através de traumatismos, processos inflamatórios, más posturas, cirurgias, stress, toxinas, etc., criam-se restrições e aderências na fáscia e entre esta e os tecidos vizinhos o que faz com que ela se torne mais sólida e dessa forma encurte as fibras fasciais o que cria pressão em áreas sensíveis, provocando dor (dor miofascial e/ou dores miofasciais) e restrições de movimento.
Esta é também a razão do mau funcionamento de órgãos, músculos e do corpo em geral.
A falha em reconhecer a importância da fáscia e o seu relacionamento com toda a estrutura e movimento do corpo, ajuda a explicar o porquê dos maus resultados ou dos resultados temporários que se obtêm com os tratamentos standard.
Este é um sistema fisiológico que tem sido ignorado e que tem de ser estudado e compreendido se queremos o bem estar dos nossos pacientes.
A causa principal de dores somáticas (dores no corpo, dores crónicas, tendinites, dores miofasciais, etc.), de dores somato-viscerais (dores do corpo que afectam as vísceras e vice-versa) ou dores somato emocionais (dores do corpo que afectam a parte emocional e vice-versa)são disfunções miofasciais.
É comum os pacientes que estão sobrecarregados com crónicas ou fortes compressõesmiofasciais terem grande agitação mental, irritação, desgaste, cansaço, incómodos, insónias e outros pensamentos e emoções desagradáveis.
Também é comum ouvi-los dizer quão profundamente aliviados eles ficam dos seus pensamentos e emoções, depois da Libertação Mio Fascial lhes ter aliviado as compressões e os pontos dolorosos associados.
Estima-se que cerca de 90% dos pacientes tenham disfunções miofasciais.
Os testes que actualmente se fazem como os raios X, TAC e muitos outros, não mostram as restrições miofasciais e dessa forma o paciente não obtém um diagnóstico completo acerca da causa das suas dores. (A maioria das dores são dores miofasciais)
Desta forma ele não recebe o tratamento correcto e eficaz para o seu problema.
Também o stress emocional e/ou as emoções negativas podem ir sendo guardadas e sendoacumuladas no corpo durante anos acabando por provocar doença ou doenças.
O tempo não cura estas coisas que existem nos tecidos, antes pelo contrário, enterra-as cada vez mais na fáscia, criando disfunções  e alterações cada vez maiores.
Infelizmente existe muita informação falsa acerca das dores miofasciais, dos síndromas miofasciais, dos trigger points (pontos gatilho) e da Terapia MioFascial (Mio Fascial).
Existem muitos tipos de miofascial mas nem todas produzem os resultados esperados o que acaba por produzir muitas das falsas informações que circulam acerca da terapia miofascial.
A afirmação mais infeliz e completamente falsa que existe por aí, é que não existe qualquer tratamento eficaz para os síndromas e dores miofasciais e que dessa forma a pessoa tem de aprender a viver com a dor.
No entanto um terapeuta miofascial pode rapidamente inactivar os trigger points (pontos gatilho) em muitos pacientes, eliminando rapidamente as dores da pessoa.
Ele elimina também a razão da sua agitação mental, irritação, desgaste, cansaço, incómodos,insónias, pensamentos e emoções negativas, etc.
Mais, ele pode resolver as causas da dor e dos problemas existentes na fáscia e dessa forma eliminar de vez, muitos dos problemas que se dizem sem solução ou que não têm solução pelos tratamentos clássicos.
Uma vez que a fáscia envolve toda e qualquer estrutura do nosso corpo, facilmente se compreende que a Libertação Mio Fascial ajude em quase todos os problemas de saúde sendo particularmente indicada para:



Pode ler mais em inglês:

Para todos aqueles que querem saber mais acerca da fáscia e da sua importância, eu recomendo a leitura dos sites que se seguem e que estão em Inglês.
Quando se aprende a lidar com as fáscias e a fazer alterações profundas nelas, os resultados ultrapassam tudo aquilo que se possa imaginar e essa é a razão dos muitos "milagres" que todos os dias acontecem em todo o mundo.
Dores crónicas, fibromialgias, escolioses, e muitos, muitos outros problemas (físicos ou não) respondem bastante bem à aplicação de técnicas fasciais e miofasciais.
Felizmente que a fáscia não é apenas uma invenção e hoje, tal como já no passado, as Universidades e a comunidade cientifica estão fazendo muitos estudos e muito trabalho para que haja um maior entendimento e para que dores (crónicas ou não) e muitos problemas físicos sejam eliminados.
Infelizmente ainda existe muita falta de informação acerca destas soluções sobretudo dentro do cidadão comum que não tendo feito uma boa pesquisa continua a sofrer uma vez que estas informações não costumam ser divulgadas pela comunicação social e muitos profissionais de saúde infelizmente também ainda não as conhecem.
Boa leitura:
E também nesta revista de massagem http://www.massagemag.com

Pesquisa revela poder da energia liberada pelas mãos

Energia liberada pelas mãos consegue curar malefícios, afirma pesquisa da USP
Um estudo desenvolvido recentemente pela USP (Universidade de São Paulo), em conjunto com a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), comprova que a energia liberada pelas mãos tem o poder de curar qualquer tipo de mal estar. O trabalho foi elaborado devido às técnicas manuais já conhecidas na sociedade, caso do Johrei, utilizada pela igreja Messiânica do Brasil e ao mesmo tempo semelhante à de religiões como o espiritismo, que pratica o chamado “passe”.
Todo o processo de desenvolvimento dessa pesquisa nasceu em 2000, como tema de mestrado do pesquisador Ricardo Monezi, na Faculdade de Medicina da USP. Ele teve a iniciativa de investigar quais seriam os possíveis efeitos da prática de imposição das mãos. “Este interesse veio de uma vivência própria, onde o Reiki (técnica) já havia me ajudado, na adolescência, a sair de uma crise de depressão”, afirmou Monezi, que hoje é pesquisador da Unifesp.
Segundo o cientista, durante seu mestrado foi investigado os efeitos da imposição em camundongos, nos quais foi possível observar um notável ganho de potencial das células de defesa contra células que ficam os tumores. “Agora, no meu doutorado que está sendo finalizado na Unifesp, estudamos não apenas os efeitos fisiológicos, mas também os psicológicos”, completou.
A constatação no estudo de que a imposição de mãos libera energia capaz de produzir bem-estar foi possível porque a ciência atual ainda não possui uma precisão exata sobre esse efeitos. “A ciência chama estas energias de ‘energias sutis’, e também considera que o espaço onde elas estão inseridas esteja próximo às frequências eletromagnéticas de baixo nível”, explicou.
As sensações proporcionadas por essas práticas analisadas por Monezi foram a redução da percepção de tensão, do stress e de sintomas relacionados a ansiedade e depressão. “O interessante é que este tipo de imposição oferece a sensação de relaxamento e plenitude. E além de garantir mais energia e disposição.”
Neste estudo do mestrado foram utilizados 60 ratos. Já no doutorado foram avaliados 44 idosos com queixas de stress. O processo de desenvolvimento para realizar este doutorado foi finalizado no primeiro semestre deste ano. Mas a Unifesp está prestes a iniciar novas investigações a respeito dos efeitos do Reiki e práticas semelhantes a partir de abril do ano que vem.
http://www.rac.com.br/projetos-rac/correio-escola/107097/2011/11/25/pesquisa-revela-poder-da-energia-liberada-pelas-maos.html

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Para emagrecer, procure relaxar






Um estudo da Universidade de Otago, Nova Zelândia, sugeriu que relaxar pode ser mais eficaz para a perda de peso do que fazer dieta.
Uma das autoras da pesquisa, Caroline Horwath, do Departamento de Nutrição Humana relata "Nós descobrimos que a intervenção mais bem sucedida envolveu o intenso treinamento em técnicas de relaxamento ao mesmo tempo em que equipamos as mulheres para reconhecerem e evitarem estresse que leva (uma pessoa) a comer".
Podemos então concluir que o estresse afeta diretamente na compulsão e que o ato de relaxar pode fazer toda a diferença na vida diária, principalmente de quem busca emagrecer.
Caroline Horwath diz ainda "Nós fornecemos ferramentas para ajudá-las a lidar com pensamentos, emoções e atitudes para encorajá-las a recuperar o prazer de comer como uma atividade natural ligada à fome ao invés de ao estresse.".
O programa, adaptado de um desenvolvido pelo Harvard Mind-Body Medical Institute, mostrou uma melhoria significativa na redução de sintomas psicológicos como ansiedade e depressão e sintomas médicos como dor, fadiga e insônia, concluiu Horwath.
O estudo foi divulgado no American Journal of Health Promotion.

Prática, para a vida real
Atualmente o que mais se tem ouvido são as frases: “estou correndo atrás do tempo”, “não tenho tempo para nada mais”, “ando sem tempo até para comer” e assim em diante.
A correria do dia-a-dia e o estresse em que estamos submersos, nos leva a perda inconsciente da saúde.
A falta de tempo para degustar o almoço, para conversar com um amigo, para meditar e até para realizar uma atividade física.
Ganha-se peso sem perceber!
A pesquisadora Elissa Epel, do Departamento de Psicologia da Saúde da Universidade da Califórnia, em São Francisco, descobriu que as mulheres temdem a armazenar mais gordura na região mediana do corpo quando sob tensão.
A razão parece ser que, quando o corpo está estressado, produz índices elevados de hormônios relacionados ao estresse, como é o caso do cortisol e da adrenalina.
Deve-se então prestar bastante atenção ao estresse em nossa vida em termos de controle de peso.
Podemos concluir que não se trata apenas de seguir um plano alimentar, mais do que nunca cuidar do lado emocional e assim também do hormonal, se faz essencial.

Realizar uma alimentação saudável, praticar atividade física e cuidar do emocional, por meio da meditação, lazer ou alguma atividade que lhe dê prazer e que te faça sair da rotina, ainda são os melhores remédios para uma vida repleta de qualidade!
Realize-se de maneira simples, goste de você como é e sinta-se feliz no trabalho que exerce, afinal de contas a felicidade é uma escolha, saiba fazê-la. Boa semana!

Izaara Alvarenga

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

11 questões sobre os benefícios da drenagem linfática

Massagem melhora a circulação sanguínea e é recomendada no tratamento da celulite.

A drenagem linfática é uma técnica que utiliza a massagem manual para estimular o funcionamento do sistema linfático. Este sistema linfático exerce um papel importantíssimo no organismo, pois constitui uma via acessória pela qual os líquidos podem fluir dos espaços teciduais para o sangue, contribuindo desta forma para manter o equilíbrio e o metabolismo corpóreo.
O principal objetivo, portanto, da drenagem linfática é fazer com que toxinas e líquidos acumulados em excesso sejam eliminados. Por ser um método especializado e dependente da técnica e experiência do profissional, o ideal é que seja realizado por fisioterapeutas ou profissionais habilitados com conhecimentos de anatomia e fisiologia do sistema linfático.
Este tipo de massagem também é muito utilizada no pré e pós-operatório de cirurgia plástica, pois auxilia na redução dos edemas (inchaço). A drenagem linfática também pode ser aplicada sozinha ou somada a outros procedimentos estéticos para potencializar tratamentos da celulite, por exemplo.
Em entrevista sobre o assunto, a esteticista Maria José Costa, apresenta mais detalhes de como a drenagem linfática pode ajudar a conquistar a harmonia corporal. Leia abaixo:
                               
1. O que é drenagem linfática? Como ela é feita?
A drenagem linfática é uma técnica de massagem que estimula e potencializa o bom funcionamento do sistema linfático. Com isso, toxinas e líquidos acumulados em excesso nos tecidos corporais, responsáveis por inchaços e agravantes de celulite, são eliminados. Ela deve ser realizada com diversos movimentos circulares, bastante precisos e bem suaves.
                   
2. Por que o sistema linfático precisa ser estimulado? Quais os benefícios da drenagem?
A linfa, que circula nos vasos linfáticos, é o líquido responsável pela saída do excesso de água e resíduos metabólicos que ficam nos tecidos entre as células. A drenagem linfática tem por objetivo tornar todo esse processo mais eficaz, aumentando a oxigenação e estimulando a renovação das células. Este processo é de grande benefício para o organismo.
                           
3. Há diferentes tipos de drenagem linfática?
Existem diferentes técnicas de aplicação da drenagem linfática, porém em todas elas, a fim de que se atinja o resultado desejado, os movimentos realizados devem obedecer o fluxo, a sequência e a disposição superficial dos vasos do sistema linfático. Uma técnica muito aplicada é a que utiliza movimentos precisos e lentos partindo de um ponto específico na região a ser tratada, porém contínuos e no sentido do fluxo dos vasos linfáticos associada a aplicação de bandagens na área imediatamente tratada.
                       
4. A drenagem linfática é capaz de modelar o corpo?
A drenagem linfática nada mais é que um estímulo externo ao trabalho natural da linfa. Como falamos, esta técnica ajuda a eliminar o excesso de líquido e toxinas do organismo, que dão a sensação de inchaço. Com a circulação sanguínea mais ativada, o corpo passa a não reter estas substâncias e o resultado é a melhora na vascularização, maior resistência imunológica do organismo e também melhora no contorno corporal.
                       
5. Como a drenagem linfática pode combater a gordura localizada e a celulite?
A má alimentação, estresse, falta de atividade física, cigarro e alterações hormonais contribuem para o processo de retenção de líquidos, que acarreta má oxigenação do tecido e de todos os vasos, incluindo os linfáticos. Quando há problemas de circulação da linfa, a celulite tende a se instalar. A aplicação da drenagem linfática ajuda a diminuir a retenção de líquidos que geralmente está presente nestas áreas, consequentemente contribuindo para a redução da  celulite. A massagem pode e deve ser associada a outros procedimentos estéticos e acompanhada de mudanças de hábitos de alimentação.
                             
6. E contra a flacidez, existe algum resultado efetivo?
Tratar a flacidez de pele não é tarefa fácil. Há, atualmente, algumas opções de tratamento e muita pesquisa científica sendo feita na busca do tratamento mais efetivo. A drenagem linfática, por melhorar a oxigenação e organização das células e fibras de sustentação da área em tratamento pode trazer alguma melhora na aparência da pele. Por fazer tudo isso, podemos afirmar que a drenagem linfática pode contribuir na prevenção da flacidez de pele, pois o organismo consegue produzir um tecido com melhor qualidade nutricional, a  partir da eliminação do excesso de toxinas metabólicas. Porém, ela não recupera a flacidez já existente.
                     
7. A drenagem linfática pode estar associada a procedimentos como o Manthus? Por que?
Sim, o Manthus é uma técnica de ultrassom associada a um estímulo elétrico capaz de reduzir medidas e melhorar o aspecto de ondulação da pele, como celulite e estrias.
                     
8. Com quais outros procedimentos estéticos ela pode estar associada?
Pode ser associada à massagem modeladora, massagem relaxante, pós e pré-operatório, entre outros procedimentos. Vale lembrar que a associação da drenagem a outras técnicas deve ser indicada de acordo com a necessidade do paciente.
                               
9. Durante a drenagem é necessário o uso de um creme para estimular a região que está sendo tratada? Por que?
Não necessariamente. O creme utilizado ajuda no deslizamento das mãos facilitando o procedimento para o profissional que realiza a massagem. A drenagem dos vasos linfáticos e dos tecidos corporais, assim como todo o efeito desejado com ela se dá pela pressão exercida pelos movimentos manuais executados. Por isso, a importância na escolha do profissional que realizará o tratamento é fundamental.
                             
10. Há casos em que a drenagem linfática é contra-indicada?
Sim. Pessoas com histórico de trombose, câncer, pós-cirurgia de fraturas de grandes ossos, pessoas em vigência de processos infecciosos são algumas das situações em que se contra-indica a realização desta técnica. Em caso de existência de doenças ou outras situações em que se tenha duvidas sobre a possibilidade da realização ou não, recomeda-se avaliação médica prévia.
                             
11. Qual o número de sessões iniciais para alcançar o efeito desejado e qual a quantidade de sessões necessárias para manter os resultados, após o tratamento?
Recomenda-se inicialmente sessões 3x/semana, até o total de 10 sessões. Após este período, a paciente deveráa ser reavaliada e feitas alterações caso a caso.

Fonte: http://drenagemlinfatica.chakalat.net/2011/12/11-questoes-sobre-os-beneficios-da.html

Drenagem linfática facial ameniza linhas finas e renova a pele

Mais um tratamento pode entrar para a sua lista de cuidados. A drenagem linfática facial. A técnica de massagem é cheia de benefícios. Ajuda ativar a circulação sanguínea, promovendo o relaxamento dos músculos da face e a eliminar as toxinas (que formam as linfas), causadoras das linhas finas e marcas de expressão. Suas vantagens vão desde revitalizar a pele do rosto, amenizar olheiras e até tratar hematomas decorrentes de traumas, doenças e cirurgias.


"Muitas pessoas pensam que a drenagem está associada apenas ao corpo, para o tratamento de celulite, retenção de líquidos, gordura localizada e recuperação no pós-operatório e desconhecem as vantagens que a técnica pode fazer para o rosto", explica a dermatologista Meire Parada Brasil, do setor de cosmiatria da Unifesp.





A técnica
Todos os toques e manobras da drenagem linfática facial, assim como acontece na corporal, devem ser feitos suavemente. "Os movimentos são de deslizamento e bombeamento e têm a finalidade de desobstruir os canais linfáticos, causando sensação de bem-estar e provocando maior eliminação do líquido retido no organismo", através da urina, explica Tatiana Campos Rocha, especialista em fisioterapia dermatofuncional e drenagem linfática, do Espaço Equilíbrio, em Minas Gerais.
Segundo Tatiana, a técnica não tem contraindicação e deve seguir uma ordem específica para funcionar de forma eficiente. "O tratamento consiste em duas etapas. Primeiramente, é feita a abertura dos gânglios (no pescoço, colo e axilas) e, em seguida, a drenagem propriamente dita, direcionando a linfa, com seu conteúdo (toxinas e líquidos retidos), para serem eliminadas por esses gânglios", explica Meire.

Frequência ideal
Tatiana explica que as sessões podem ser feitas uma vez por semana, ou até mais do que isso, no caso de um tratamento para peles mais necessitadas. "A frequência ideal vai depender de cada caso, mas é importante manter a regularidade no tratamento para não prejudicar o resultado final", explica a fisioterapeuta.

Objetivos
A drenagem linfática facial tem objetivos preventivos, estéticos e terapêuticos, pois estimula o sistema de defesa, a oxigenação dos tecidos e ajuda na eliminação de líquidos que ficam retidos, tonificando a pele e retardando o envelhecimento dos tecidos. A dermatologista da Unifesp explica que seus resultados são satisfatórios, porém, não são milagrosos, "A técnica ameniza problemas de origem vascular. Apagar manchas e eliminar rugas não faz parte do tratamento", explica Meire.


Olheiras e marcas de expressão
Como atua na melhoria da circulação sanguínea, a drenagem amplia a vascularização da região onde é aplicada. O resultado é a eliminação de bolsas e marcas de expressão na região dos olhos. "Só que a técnica não tem o poder de clarear a pigmentação escura das olheiras nem manchas de nenhuma natureza", explica Meire. "Os efeitos da drenagem não são definitivos, duram por um certo tempo, que varia de pessoa a pessoa, por isso a importância da manutenção do tratamento", diz a dermatologista.

Pós-operatório
Após as primeiras sessões, é possível visualizar os resultados do tratamento, com diminuição do edema e uma melhora geral na aparência da pele. "Quando a drenagem é realizada na área da cirurgia, há a compressão do líquido retido e sua eliminação de maneira mais rápida pelo organismo, evitando o perigo de infecções", explica a médica Em relação às cicatrizes, a drenagem é eficiente logo após a lesão, pois melhora a capacidade linfática e a circulação, diminuindo o edema. "Caso seja feita muito tempo depois, as chances são menores de ficar sem nenhuma marquinha, já que a circulação ficou comprometida em função do inchaço provocado pela lesão", afirma a dermatologista.


Fonte: http://drenagemlinfatica.chakalat.net/2011/09/drenagem-linfatica-facial-ameniza.html