"Qualquer amor é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura."
- João Guimarães Rosa

sábado, 12 de maio de 2012

Massagem anti-estresse (anti stress)


O termo estresse é relativamente moderno. Ele foi mencionado pela primeira vez, pelo médico Hans Selye. Hoje, o termo é bastante difundido e faz parte do dia a dia do mundo ocidental. Em alguns casos, é até considerado uma “qualidade” e muitas pessoas se orgulham de ter vidas corridas e estressantes.
O estresse é, na verdade, uma reação de adaptação fisiológica e hormonal, ativada devido a fatores mentais e físicos. Ele pode ter várias reações, como dores, congelamento, medo ou fuga. Na verdade, o estresse é importante e existe em quase todos os mamíferos e outras espécies de vida elevada. O ser humano pode sentir estresse causado por sobrecarga assim como por pouco estímulo.
Numa situação de muito trabalho, o corpo precisa ser ativado. A hipófise libera hormônios, que por sua vez estimulam a glândula suprarrenal a produzir adrenalina, cortisol e noradrenalina. Estes três hormônios têm grandes impactos nos órgãos e tecidos humanos. O nível de insulina no sangue diminui e a pessoa tem um aumento de glicose no sangue. O estresse também diminui a atividade do sistema parassimpática e aumenta o sistema simpático. Isto leva a um ritmo cardíaco e a pressão sanguínea mais elevada. Alem do mais, o corpo tira sangue dos órgãos que não são necessários para a sobrevivência imediata, como os rins e os intestinos. Os músculos e o coração recebem mais sangue e o ritmo de respiração aumenta.
Muitas vezes, o estresse provém da nossa psique. Angústia, ansiedade e sentimentos de culpa são alguns exemplos que podem levar ao estresse. Muita gente sente estresse quando tem que falar com o chefe, fazer uma prova ou falar em público. A gente sabe que estas ações não são perigosas. Mas a nossa mente liga o sistema de estresse e nós sentimos o pulso e a respiração aumentarem. Não há riscos se isto acontece de vez em quando. Mas se o nosso corpo está ligado ao estresse 24 horas por dia durante muito tempo, podemos ter vários problemas. Algumas das consequências do estresse são: cansaço, irritação, dores na barriga, dores musculares, pressão alta, dificuldade de dormir ou problemas mais graves.




Que benefício tem a massagem para o estresse?
A massagem relaxa a musculatura e ativa o sistema parasimpático que, por sua vez, traz bem estar e relaxamento. A massagem também libera o hormônio ocitocina, que ajuda a combater o estresse. A massagem tem ainda bons efeitos no tratamento da angústia e da ansiedade e aumenta a tolerância à dor, aliviando a tensão nos músculos gerando mais flexibilidade. A pressão tende a cair com a massagem e as circulações sanguínea e linfática têm bons efeitos no sistema imunológico do corpo. A massagem também traz sensações de carinho, conforto e disposição. Mesmo assim, a massagem não deve ser usada na substituição da medicina convencional. Sempre é bom o seu médico saber que você está fazendo massagem.


http://www.clinicademassagem.net.br/massagem-anti-estresse-anti-stress

Massagem redutora, modeladora e drenagem linfática: saiba diferenciar cada uma

Conheça a massagem redutora, a modeladora e a drenagem linfática e saiba como diferenciar os diversos benefícios de cada uma


massagem
A drenagem linfática deve ser feita com movimentos delicados e rítmicos
Foto: Dreamstime
Redutora, modeladora e drenagem linfática: muita gente confunde esses três tipos de massagem justamente porque seus objetivos são parecidos - driblar a celulite e a gordura localizada. O tratamento completo tem de oito a doze sessões - já é possível notar uma melhora após a primeira. Tire suas dúvidas sobre as técnicas.

Drenagem Linfática


A técnica manual é a campeã de audiência nas clínicas de estética. Merecidamente: esse tipo de massagem, que deve ser feita com movimentos delicados e rítmicos, varre as toxinas do organismo, elimina o inchaço e colabora com a oxigenação da pele, suavizando o aspecto da celulite. A sessão dura aproximadamente uma hora.

Tem que doer para fazer efeito?

"De jeito nenhum!", garante a esteticista Cláudia Fontenele, de São Paulo. "O objetivo dela é só agilizar o fluxo da linfa, ou seja, melhorar um processo que o nosso organismo faz naturalmente", diz. "E, como a linfa trabalha de forma vagarosa, a massagem deve ser suave, relaxante até", garante.

Tudo bem se deixar hematoma?

Também não. "Isso indica que houve rompimento de algum vaso capilar, ou seja, uma pressão muito forte", fala a esteticista.

Pode ser associada a outra massagem?

Pode, mas deve ser feita sempre depois da redutora ou da modeladora.

A drenagem consegue reduzir a gordura localizada?

Sim, porque ativa o metabolismo, facilitando a eliminação da adiposidade.

Precisa usar creme?

Não necessariamente, mas o produto facilita o deslize das mãos.

Massagem modeladora


Muito confundida com a drenagem linfática, essa massagem sob medida para desenhar curvas é realizada com maior vigor e - importante - no corpo todo. A esteticista pressiona os pontos de celulite e de acúmulos de gordura e, assim, suaviza esses problemas. Cada sessão dura de 40 minutos a uma hora.

Tem que doer?

Dói um pouco, sim, mas dá para aguentar.

Tudo bem se deixar hematoma?

Ela pode até deixar, dependendo da sensibilidade de cada pessoa.

Tem que usar creme?

O uso de cosméticos específicos, com ativos que atuam na queima da gordura, pode ajudar a potencializar o resultado.

Massagem redutora


É feita com movimentos de deslizamento e amassamento profundos, seguindo um ritmo acelerado. De acordo com Cláudia Fontenele, a diferença da massagem modeladora para a redutora é que a última é aplicada somente em áreas específicas, como abdômen e culote.

O profissional também usa acessórios para potencializar a ação das manobras. Os efeitos aparecem se você fizer, no mínimo, uma sessão por semana. Dura cerca de 40 minutos.

Tem que doer?

Pode doer, sim. Tudo depende da sua sensibilidade e da experiência da esteticista.

Tudo bem se deixar hematoma?

Marcas roxas significam que algum vasinho estourou - então, não pode.

Tem que usar creme?

Os cremes redutores podem ajudar no resultado, mas os dermatologistas dizem que não há estudos científicos de peso que justifiquem o seu uso.